Sobre a Saint Paul
Transformamos a vida das pessoas e a sociedade por meio do conhecimento, promovendo o melhor capital intelectual nas áreas de finanças, gestão e negócios. Neste Blog, apresentamos soluções para as principais dúvidas sobre desenvolvimento profissional, carreira e mercado, por meio de conteúdos exclusivos. Boa leitura!
saint paul p2 7.jpg

Qual o objetivo de todas as empresas? A resposta é unânime: lucrar! Para alcançar essa meta é fundamental que o gestor tenha muita cautela na hora de realizar a gestão de custos e preços.

 

O preço final de um serviço prestado ou produto vendido depende do quanto é investido para que ele exista. E esse processo deve ser levado em consideração já na etapa do planejamento de gestão estratégica. Afinal, se a empresa cobrar valores que não condizem com a realidade, isso pode resultar em prejuízo financeiro.

 

Para fazer uma gestão de custo assertiva é importante, antes de mais nada, conhecer profundamente o negócio. Isso implica em saber como funcionam todas as áreas da sua empresa, desde o tempo de produção de um serviço ou produto e seu ciclo de venda até o comportamento dos concorrentes no mercado.

 

New Call-to-action

 

Feito isso, deve-se ter conhecimento dos custos fixos e variáveis da sua empresa. Lembrando que os fixos são aqueles rotineiros como pagamento de contas, fornecedores, funcionários, aluguel, entre outros. Já os variáveis correspondem a tudo o que é gasto para produzir ou comercializar o seu produto ou serviço, como por exemplo, os impostos sobre mercadoria, compra de matéria-prima e comissão de vendedores.

 

Procure fazer um registro de todos os gastos, para que seja possível identificar investimentos desnecessários e outros que mereçam uma atenção especial, por resultarem em maior qualidade ou volume de venda, por exemplo.

 

Não erre no cálculo da formação do preço

 

Após identificar todas as despesas, é a hora de planejar a formação dos preços. Nessa etapa é importante evitar calcular o preço colocando a porcentagem em cima do custo (o chamado mark up). Nem sempre essa é uma boa estratégia. O ideal é calcular o preço de acordo com o interesse do público-alvo e isso depende da maturidade do mercado e da atuação dos concorrentes.

 

Para entender melhor, basta voltar um pouco no tempo e lembrar como eram comercializadas as linhas de telefones há alguns anos. Como havia um monopólio nesse serviço, a empresa cobrava quase que o preço de um carro por uma linha telefônica. Porém, com a privatização, ocorreu a entrada de outras empresas no mercado, o serviço tornou-se uma commodity e o preço despencou.

 

Por isso, para estipular o preço de um produto é fundamental levar em consideração o custo da mercadoria, a demanda do mercado e a atuação da concorrência.

 

E essas informações só serão possíveis de serem obtidas ao conhecer profundamente o seu negócio e fazer uma análise demográfica sobre o perfil do consumidor.

Lilian S. P. Carvalho
Coordenadora Acadêmica

Posts Relacionados

New Call-to-action
New Call-to-action
New Call-to-action
Baixe nosso infográfio: Design Thinking

Posts populares