Nos últimos anos, o networking conquistou muita visibilidade como uma ferramenta para fomentar as trocas de experiências entre os profissionais de diversas áreas. E muito se fala sobre as habilidades pessoais necessárias para desenvolver essa rede de contatos.

Com as dicas que listamos abaixo, trazemos um ponto diferente, o conhecimento. Além disso, olhamos para um público específico, as pessoas que ocupam posições no mercado financeiro.

Colocamos como o conteúdo – e qual conteúdo - pode contribuir para gerar interações mais ricas, valorosas e aproximar executivos que atuam nas variadas áreas dentro desse segmento da economia.

Ficou curioso? Acompanhe!

 

1. Estar atualizado

Dentro de um mercado que é quase uma montanha russa, o profissional precisa acompanhar as evoluções e estar atualizado, em busca de informações constantemente.

Fazendo isso, ele consegue fazer trocas melhores com os seus pares, agregando valor ao seu conteúdo e aprimorando as interações.

 

2. Colocar o inglês em prática

O executivo precisa aprimorar o inglês lendo e procurando ter sempre as informações mais recentes do que está acontecendo nos principais mercados fora do país.

Por ser um segmento com muita fonte de conteúdo internacional, o inglês é imprescindível. A bolsa de valores e a própria economia dos Estados Unidos, por exemplo, são bases para o que se estuda no Brasil.

Com as leituras prontas, você consegue chegar até esses profissionais do mercado muito mais afinado, o que abre caminho para uma relação mais próxima e profunda.

Isso é importante porque o interlocutor verá em você alguém que está tão avançado no conteúdo e conectado quanto ele.

 

3. Diversificar o conteúdo

O mercado financeiro é rico em temas e assuntos e, quanto mais abrangente for o seu conhecimento, melhor.

Quando a pessoa acompanha conteúdos relacionados a finanças, estratégia, mercado e negócios, esse conhecimento transfere a ela uma adaptabilidade muito grande na hora de estabelecer trocas de experiências com os seus pares.

As interações ficam mais positivas, sendo elevadas a um grau maior de confiabilidade entre a sua rede de relacionamento, e ele se torna em uma referência.

Aqui, além do conhecimento vasto em áreas distintas, é preciso adicionar um outro ponto para o perfeito funcionamento dessa equação: o comportamento, com atenção para características como resiliência, proatividade e comunicabilidade.

Alguém que só vê números e que não sabe se comunicar bem, não conseguirá conversar de maneira adequada com os clientes nem transmitirá as mensagens de uma forma convincente. Essa é uma dinâmica muito observada nos bancos, especialmente os de investimento.

 

4. Entender a importância das metas

Parece estranho para você? Não é.

Esse é um ponto importante porque dentro do mercado financeiro é muito comum as pessoas trabalharem com base em metas, sendo algumas delas fixas e outras variáveis.

E o desenvolvimento do executivo dentro do ambiente técnico está muito vinculado com a parte variável, exigindo capacidade de adaptação, flexibilidade, visão fora da caixa e dor do dono.

Aprender a trabalhar com metas de curto, médio e, principalmente, longo prazo, faz desse profissional também uma referência, por ficar inteirado dos assuntos e por deter um conhecimento que é do interesse dos seus pares.

 

5. Gostar de trabalhar

Os executivos do mercado financeiro têm jornadas que sempre superam as 40 horas semanais na execução das suas funções regulares. Portanto é necessário entender essa dinâmica ao buscar atuação no segmento ou estabelecer networking com profissionais da área.

Além disso, precisam dispor tempo adicional, seja analisando relatórios, lendo notícias ou se inteirando do mercado. É um reflexo da velocidade com o qual surgem boas oportunidades de investimento em diversos lugares e segmentos, e o profissional precisa estar atento e saber dessas informações.

Ao entender esse comportamento no setor, você consegue analisar quais são os melhores momentos para as interações ou os conteúdos mais propícios para compartilhar, a depender da situação, gerando valor adicional para as suas trocas de experiências.


Como você pode perceber, networking demanda tempo e conteúdo para gerar trocas de experiências melhores e mais profundas. Agora, chegou a hora de colocar as dicas em prática.

Quer saber mais sobre networking?

Não deixe de ler os dois artigos abaixo sobre o assunto:

Você investe corretamente na construção do seu networking?

7 dicas de como construir um networking profissional

 

New Call-to-action

Renan Riedel
Coordenador Acadêmico da Saint Paul

Posts Relacionados

New Call-to-action
New Call-to-action
New Call-to-action
New Call-to-action
New Call-to-action
Baixe nosso infográfio: Design Thinking

Posts populares