Quem faz gestão de pessoas em sua empresa? Se esta pergunta fosse feita há 30 anos, você provavelmente diria que era a diretoria de RH e a área de recursos humanos no geral. Hoje em dia, porém, a gestão de pessoas é uma das atribuições de todo os líderes que estão no papel de conduzir os resultados dentro das organizações.

Especialistas indicam que o conhecimento em gestão de pessoas é tão importante para o líder quanto saber as questões técnicas de seu trabalho. Isso porque, sem ele, muitos chefes não exploram a totalidade de sua capacidade, estagnando sua carreira e não extraindo o melhor de sua equipe.

Neste artigo iremos mostrar a importância da gestão eficaz no mercado financeiro e por que você deve pensar o quanto antes em retornar à sala de aula. Boa leitura!

 

O gestor do mercado financeiro


Um gestor de pessoas na área financeira, assim como qualquer outro, precisa constantemente garantir que as metas sejam batidas e que sua equipe caminhe na velocidade necessária. É aí que aparece o grande ponto de interrogação:


Mas por onde começar?


Claudio Queiroz, especialista em desenvolvimento de líderes e equipes e professor da Saint Paul Escola de Negócios, diz que a primeira coisa é que o gestor deve fazer é se incluir:


“Ele deve se permitir e acreditar que ele é o grande responsável por selecionar e atrair pessoas talentosas para sua equipe. Porque sem equipe talentosa eu não tenho velocidade”, comenta Queiroz.


Por falar em velocidade, este é um dos grandes desafios que as organizações brasileiras estão encarando e devem enfrentar ainda mais. A baixa produtividade da população brasileira está muito atrás da de outros países.


Para ter uma ideia, a consultoria internacional Conference Board estima que a produtividade do brasileiro equivale a 25% da produtividade do trabalhador americano. Os Estados Unidos são usados como a base de comparação entre os países pela entidade, mas têm uma produtividade menor do que a da Noruega, por exemplo. O Brasil fica atrás do Japão e países da Europa Ocidental, como Alemanha, Reino Unido, Itália ou França.


Uma gestão de pessoas eficaz e otimizada é feita com muita clareza, em que os liderados sabem o que se espera deles. Além disso, acompanha se o que foi combinado está sendo cumprido ou não. Ela também precisa estar permanentemente comprometida com o desenvolvimento da equipe, dando feedback e transformando um grupo de pessoas em uma equipe.


“Eu posso ter 14 pessoas trabalhando comigo, mas se estas não estiverem em sintonia, não formarão uma equipe. Será apenas um bando de pessoas, e os resultados delas também não vão acompanhar o ritmo necessário”, compara Queiroz.


Quando é necessário voltar à sala de aula?


Ainda de acordo com o professor Queiroz, os gestores de hoje estão aprendendo a liderar com base nos erros e acertos. Isso é um perigo tanto para a sua carreira quanto a da sua equipe. Afinal, na velocidade que as coisas mudam, esse líder pode estar perdendo seu tempo na história.


“A liderança, em função dos desafios estratégicos, se afasta do próprio desenvolvimento pessoal. E quando vai para a sala de aula ainda se sente culpada por estar ali”, diz o professor Queiroz.


No entanto, voltar à sala de aula pode contribuir com resultados muito satisfatórios. Por exemplo, um MBA pode oportunizar em um ou dois anos o conhecimento que esse gestor levaria 10 para aprender na prática. Com isso, ele consegue acelerar sua jornada no aprendizado.


E os ganhos quando um líder investe em formação de gestão de pessoas ultrapassam ele próprio. No livro “O Elo da Gestão de Carreira”, de autoria do professor Queiroz, ele aponta que a qualificação da liderança beneficia “o ELO”, que são as três bases da empresa:

  1. Para o Empregado: Ganha na velocidade em sua carreira, felicidade no trabalho e plenitude diante dos desafios recebidos;
  2. Para a Liderança: ganha um equipe mais motivada, clima organizacional maravilhoso e resultados extraordinários;
  3. Para a Organização: novos e fiéis clientes, participação de mercado e satisfação dos consumidores.


Infelizmente, boa parte dos profissionais que ocupa cargos de gestão de pessoas no mercado financeiro está mais preocupada com atividades do dia a dia, deixando de lado a formação necessária. Muitas vezes até porque acham que a sala de aula é um lugar muito passivo ou uma perda de tempo.

Na Saint Paul, por exemplo, os cursos são recheados de cases, simulações, exercícios práticos que potencializam o aprendizado de forma lúdica e agradável.

New call-to-action

Claudio Queiroz

Posts Relacionados

Baixe o ebook agora!
New Call-to-action
New Call-to-action
New Call-to-action
New Call-to-action
New Call-to-action
Baixe nosso infográfio: Design Thinking

Posts populares