Análise financeira, Exemplo DRE

Falar com o profissional de finanças sobre a importância de analisar os números corretamente parece chover no molhado, não é? Mais ou menos. Na verdade, para fazer uma análise financeira precisa e elaborar relatórios gerenciais que agreguem valor ao negócio deve-se ir além.

 

Para fazer qualquer análise financeira é preciso se basear em dois pilares importantes: conhecimento profundo do negócio e entendimento sobre contabilidade.

 

1. Conhecimento do negócio

Falando especialmente sobre o primeiro pilar de conhecimento do negócio, o fato é que se você não souber detalhadamente onde e como surgiram linha por linha das receitas da DRE (Demonstração do Resultado do Exercício), você não terá condições de fazer uma análise precisa.

 

Conhecer profundamente o negócio está relacionado a entender de onde saem as receitas, que tipos de produtos/serviços sua empresa vende, em quais mercados (nacional/internacional) atua, quais são os custos da organização por área, identificar se os produtos são produzidos internamente ou são terceirizados e por aí vai.

 

Os exemplos de DRE, quando isolados, não dizem nada. Tratam-se de números frios. Por isso, antes de qualquer cálculo é importante mergulhar na empresa e entender suas atividades. Essa é uma grande lacuna do profissional de finanças e que deve ser superada.

 

Como fazer isso?

 

New Call-to-action

 

O primeiro passo para fazer uma análise aprofundada e gerar relatórios gerenciais financeiros consistentes é “traduzir” as linhas da DRE. Você pode começar pelas mais importantes, que são as receitas. Para isso, procure entender na sua empresa quais são as áreas que geram receitas e que produtos têm mais giro. Esse exercício é muito válido. Para se ter uma ideia, durante muitos anos, a Avon se definia como uma empresa de logística e não de cosmético, já que aproveitava a malha logística de vendedoras para comercializar qualquer produto. Informação extremamente relevante para a análise financeira.

 

Já se a organização tiver capital aberto e for negociada na na bolsa de valores, outra dica importante é ler o conteúdo gerado pela área de RI (Relações com Investidores) sempre disponível no site da empresa. Normalmente, essa área tem dados riquíssimos sobre o negócio que são desconhecidos até mesmo pela equipe de finanças. Além disso, conversar com as pessoas, entender as demais áreas de negócios da companhia e ler jornais, blogs e sites especializados em finanças são medidas fundamentais para abrir os horizontes e entender mais profundamente o setor de atuação da sua empresa.

 

2. Entenda de contabilidade

Existem diversos modelos de DRE. Temos o modelo societário, que é obrigatório, e as infinitas versões gerenciais criadas internamente nas empresas.

 

Mas o que tem isso a ver com a contabilidade?

 

É simples. O profissional de finanças utiliza as demonstrações contábeis como base do produto para realizar a análise financeira. Ou seja, se ele conhecer parcialmente sobre área contábil, sua análise ficará crua e rasa, já que o entendimento dos números também será parcial.

 

Além disso, desde 2007, a contabilidade está passando por processos de mudanças por conta da migração para a lei internacional, que exige a convergência mundial. A utilização da IFRS (International Financial Reporting Standards) é fundamental para uniformizar os procedimentos contábeis e as políticas existentes entre os países. Sendo assim, é fundamental ajustar a essência da contabilidade ao seu negócio. A IFRS permite evidenciar de maneira transparente as informações sobre a posição financeira, o desempenho e os fluxos de caixa dessas organizações.

 

Para ficar por dentro de tudo o que acontece no setor de contabilidade vale acessar o site do CPC (Comitê de Pronunciamento Contábeis). Embora o conteúdo disponível seja absolutamente técnico, lá estão todas as atualizações necessárias para entender mais sobre a área. Além disso, o conhecimento também pode ser enriquecido com a realização de cursos que mostram como era a contabilidade antes e como ficou agora.

 

Não se esqueça: você só vai conseguir transformar os números em insights de negócios se conhecer profundamente sua empresa e as ações contábeis.

Adriano Mussa
Diretor Acadêmico Saint Paul

Posts Relacionados

New Call-to-action
New Call-to-action
New Call-to-action
New Call-to-action
New Call-to-action
Baixe nosso infográfio: Design Thinking

Posts populares